A vida

18:45


A vida.
As vezes nos pegamos pensando sobre a nossa vida, o nosso passado, o nosso futuro, presente... Nas escolhas feitas, certas ou erradas; pensando sobre quem poderíamos ser, nas infinitas possibilidades. Pensamos e nos damos conta de como a vida é curta e quanto tempo perdemos com coisas bobas, briguinhas bobas e idiotas, sem sentido; em coisas fúteis e dai uma luz acende em nossas cabeças, como se o interruptor estivesse sempre ali, mas fomos tão preguiçosos ao ponto de não levantar o braço e acendê-la antes de uma certa idade. Então vem o segundo estágio – o primeiro foi perceber o quanto a vida é curta e devemos valorizá-la, já o segundo é a depressão, a longa e eterna depressão, o longo eterno martírio, melancolia que sempre vai estar ali, por mais que tentemos camuflá-la ela sempre vai está presente lá, mesmo que seja no fundo do seu inconsciente e por vezes ela vai vir à tona e depois se esconder novamente como se não tivesse acontecido nada.
Acompanhado com o primeiro estágio e as vezes apenas despertado no segundo vem o medo da morte. Esta é a única certeza que temos desde que nascemos, que um dia vamos morrer; mas enquanto somos crianças morte não faz parte do nosso vocabulário, aliais, a morte parece estar muito longe de nós, em nossos olhos algo inalcançável, que nunca vai acontecer com nós. O máximo que sentimos com o impacto da realidade da morte quando crianças é que aquela pessoa tão amada foi para o céu. Um lindo lugar em meio aquela linda vastidão de céu azul e nuvens de algodão – aos nossos olhos. Sim, é claro que sentimos falta da pessoa – dependendo do tipo de ligação, muita. Mas somos crianças ainda, vivemos em um mundo mágico onde as preocupações não existe e viver é pura felicidade. Conforme vamos crescendo as coisas vão mudando, é dai que surge o medo. Ele surge é do choque de realidade ao constatar que cada dia que passa estamos morrendo mais e mais, e a morte finalmente parece alcançável, então ficamos apavorados com a simples menção da palavra morte. Mas porque tanto medo? A resposta é: É porque ninguém sabe ao certo o que é a morte. Estamos cercados por este mistério que ninguém pode nos responder realmente o que ela é. Também o fato de amarmos tanto – mesmo que inconscientemente – a vida, a nossa família e a todos a nossa volta aumenta o terrível medo do fim inevitável.
O que é isso de primeiro e segundo estágio? Na verdade são sinais. Sinais de que você finalmente toma consciência do que é a vida e por mais que seja dura, com caminhos tortuosos e espinhos você a ama com todas as forças que a mínima ideia de deixá-la, de perder tudo aquilo o apavora, nos apavora. É impossível não sentir medo, é normal sentir medo, somos humanos e por mais incrível que pareça não é só nós que sentimos medo, todos os animais sentem. E totalmente normal, é a vida.  


You Might Also Like

2 comentários

  1. Nossa que texto inspirador ♥
    Me fez refletir para caramba, eu realmente adorei essa sua perspectiva sobre a vida e a morte *-*
    Já ta la atualizada nos afiliados e mds que layout perfeito ♥

    XOXO :D | Joven Clube

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado do layout e do texto. É muito gratificante ver que escrevo coisas que inspiram as pessoas. :)
      Novamente muito obrigada.
      Anna.

      Excluir

Popular Posts

Like us on Facebook

Flickr Images